Uma Triste Atração Para Se Ver

Avaliação

Moradores De Linhares – ES Assistiram ao mar sendo tomado pela lama

O clima era de apreensão, com o noticiário metralhando informações sobre a chegada da “lama de Mariana”, uma alusão das trágicas consequências do rompimento da barragem da mineradora Samarco, localizadas no município mineiro.

Lama e detritos praticamente soterraram subdistritos de Mariana e mataram o importante rio Doce, fonte de vida e sustento de milhões de pessoas entre Minas Gerais e Espírito Santo.

No entanto, assim como ocorreu em outras cidades, a chegada da lama pelo rio se tornou, por um momento, atração para a população da cidade capixaba de Linhares e também de seu distrito, a vila de Regência.

Lugares no parapeito de deques, portos e pontes sobre o rio Doce avermelhado pela lama da Samarco eram disputados até com rispidez na ponte perto do porto de Regência, na foz do rio. Havia expectativa, até mesmo a esperança de que a “corrente de sujeira” não chegasse. Mas ela chegou e coloriu de forma tristemente bela o oceano Atlântico.

Moradores de Regência (ES) observam a chegada da lama em um dos portos da cidade
Moradores de Regência (ES) observam a chegada da lama em um dos portos da cidade

Anoilton Alves Pereira, 52, pescador e morador a vida inteira em Regência, ficou paralisado com a chegada da lama. Em uma das margens do rio, acordou da letargia e tentou salvar alguns peixes que agonizavam. Só que não havia o que fazer: morreram em suas mãos.

Anoilton Pereira, pescador de Regência, recolhe peixes mortos recolhidos na foz do rio Doce
Anoilton Pereira, pescador de Regência, recolhe peixes mortos recolhidos na foz do rio Doce

Ilda Peanha, 73, andou bem devagar até a beira do rio. Dona de casa com mão boa para cozinhar para a comunidade, custou a acreditar que o rio tinha “acabado”.

Ela olhava fixamente para as águas barrentas, mas certamente não as enxergava. O olhar estava perdido no horizonte, para além do oceano.

Ilda Peanha mora em Regência e ficou desolada com a chegada da lama
Ilda Peanha mora em Regência e ficou desolada com a chegada da lama

Ilda se esforçava para tentar enxergar o futuro, ou algum futuro. A única coisa que via, no entanto, era tristeza. “Nem nos pesadelos a gente poderia imaginar que um dia isso pudesse acontecer. O rio é nossa vida, e estou vendo a vida indo embora com a lama.”

O caranguejo no manguezal ainda mostrava força e resistência, mas a luta era inglória. Quanto tempo conseguiria permanecer em sua “toca”? Para onde iria?

Caranguejo tenta sobreviver em maneguzal afetado pela lama no distrito de Regência (ES)
Caranguejo tenta sobreviver em maneguzal afetado pela lama no distrito de Regência (ES)

Simonne Capeletti, 49, administradora de empresas, estava de passagem por Regência, acompanhando um grupo de frequentadores de trilhas. Estava desolada: “Tomamos banho aqui ontem, agora já não podemos mais. Muito triste”.

A desolação também era perceptível no rosto das crianças, incomodadas com a invasão de seu “quintal”. O mangue foi tomado pelas águas marrons de Mariana. Era difícil de entender o que acontecia, mas certamente sabem o que está acontecendo.

O que não sabem é o que vai acontecer daqui para a frente, assim como ambientalistas, moradores de Regência e de todos locais atingidos pelo mar de lama da Samarco.

Crianças observam a lama tomando um braço do manguezal em Regência (ES): futuro ameaçado
Crianças observam a lama tomando um braço do manguezal em Regência (ES): futuro ameaçado

Fonte: UOL

Fotos: Gabriel Lordêllo/Mosaico Imagem

Everton Lemos

Sou Natural De Brasília, Apaixonado pelo Brasil e suas belezas naturais, procuro sempre conhecer e compartilhar as grandezas do nosso país.

Everton Lemos tem 574 posts e contando. Ver todos os posts de Everton Lemos

Fechado para comentários.